7 Filmes obrigatórios para todos os empreendedores

7 Filmes obrigatórios para todos os empreendedores

Posted Leave a commentPosted in Internet e Marketing

Ser empreendedor é um desafio e nem todos nascem com essa capacidade. Mas a boa notícia é que pode aperfeiçoar as suas capacidades ao longo do tempo e nas mais diversas situações. Uma das melhores formas de aprendizagem é através de casos concretos, como os que nos são mostrados no cinema. A sétima arte tem muitos filmes inspiradores para empreendedores de todas as áreas e selecionamos neste artigo os 7 filmes obrigatórios para todos os empreendedores!

O Lobo de Wall Street

Este filme protagonizado pelo Leonardo Dicaprio conta-nos a história de um empreendedor e corretor da Bolsa, que consegue alcançar um negócio de sucesso. O problema é que consegue alcançar a glória através de esquemas fraudulentos e crimes de corrupção. A personagem principal tinha dotes impressionantes de vendedor e apresentava uma capacidade inata para liderar uma empresa, conseguindo passar entusiasmo e motivação a todos os seus colaboradores.

A rede social

Não podíamos deixar de referir o filme que conta a história de Mark Zuckerberg, um dos maiores empreendedores do nosso século e o responsável pela criação da rede social Facebook. Este filme conta-nos detalhadamente como é que o Facebook surgiu: uma simples ideia que surgiu na faculdade tornou-se na rede social, mais famosa do Mundo. Este filme também nos mostra que, por vezes, para alcançar o sucesso é preciso comprometer as relações pessoais.

O Clube dos Poetas Mortos

O filme estrelado por Robin Williams conta-nos a história de um professor que começa a dar aulas na Welton Academy em 1959. Sendo uma instituição tão conservadora, o professor cosnegue marcar a diferença ensinando os seus alunos a pensarem de forma diferente, incutindo-lhes um espírito de inovação, um dos valores mais apreciados no mundo do empreendedorismo atual.

O Homem que mudou o jogo

“O Homem que mudou o jogo” é um filme baseado na historia real de Billy Beane, adaptada ndo livro de Michael Lewis. O autor relata como Beane conseguiu levar a modesta equipa do Oakland Athletics a uma equipa de elite do basebol americano. Este filme ensina-nos como corrigir os colaboradores e potencializar ao máximo as suas capacidades individuais. Saber fazer as perguntas certas e motivar os colaboradores a darem o seu melhor é uma característica que todos os empreendedores devem ter.

O Jogo da Imitação

Este é um filme baseado em fatos reais que nos conta a história Alan Turing, um matemático com uma inteligência acima da média, que é bastante anti social. O filme passa-se durante a Segunda Guerra Mundial. Na ocasião, o governo britânico contratou uma equipa que tinha o objetivo de descodificar um famoso código utilizado pelos alemães para transmitir as suas mensagens de guerra. O filme mostra-nos que rabalhar em equipa é fundamental e não desistir perante as adversidades é das mensagens mais importantes que deve transmitir aos seus colaboradores enquanto responsável pela gestão e liderança. O filme também nos mostra a importância de utilizar sistemas de processamento de dados.

Rocky

Todos os filmes do Rocky, estrelados por Sylvester Stalone, mostram-nos um discurso motivacional com capacidade de nos fazer começar a trabalhar de imediato em todos os nossos planos e realizar tudo aquilo com que sempre sonhamos. O Rocky tem uma capacidade de liderança incrível e todos os gestores de recursos humanos deveriam ser um pouco como ele! Este filme também é essencial para a gestão de recursos humanos pois mostra-nos as dificuldades que vamos encontrando pelo caminho até atingirmos o sucesso. A lição principal é que apesar das dificuldades que vão aparecendo, devemos ser capazes de nos mantermos fortes para continuar a lutar!

O Diabo veste Prada

Neste filme, a Revista “Runway” é dirigida pela mão de ferro de Miranda Priestley – a mais poderosa mulher no mundo da moda. “Runway” é um assustador desafio para quem quiser entrar nessa indústria. Para conseguir que “Runway” seja a Bíblia de Nova Iorque e até do Mundo, Miranda não poupa nada nem ninguém e é difícil alguém sobreviver às suas mãos! Assim, a tarefa como assistente de Miranda poderá abrir as portas à recém-formada Andy Sachs. Apesar de Andy ser a pessoa completamente errada para o trabalho, porque não sabe nada de marcas nem do mundo da moda, quando se propõe ocupar esse cargo irá demonstrar ter algo que as outras não têm: ela tem determinação e recusa falhar!

 

O mundo do cinema ajuda-nos a “viajar” para outros mundos e ao mesmo tempo ensina-nos muitas coisas sobre a vida e sobre o mundo do trabalho. Se conhecer outros filmes inspiradores para empreendedores, partilhe-os connosco nos comentários!

Máquinas vs Humanos: inimigos ou bons aliados?

Máquinas vs Humanos: inimigos ou bons aliados?

Posted Leave a commentPosted in Tecnologia e Gestão

O atendimento ao cliente está cada vez mais automatizado. Isso acontece devido à crescente exigência dos consumidores, que procuram respostas cada vez mais rápidas e eficientes. O mundo empresarial, nos próximos anos, terá uma maior dependência das máquinas e isso faz com que muitas pessoas olhem para elas com desconfiança e medo. Mas será que máquinas e humanos são inimigos ou podem ser bons aliados?

Máquinas vs Humanos

Um estudo realizado pela Gartner concluiu que até 2020, 85% das vezes que os consumidores se vão relacionar com as empresas será sem qualquer intervenção humana. Contudo, não devemos pensar que as máquinas vão dominar o mundo e acabar com a interação humana. Na verdade, o que este dado significa é que os seres humanos passarão a ter cada vez mais controlo sobre a tecnologia, usando-a de uma maneira mais inteligente e libertando os colaboradores das tarefas burocráticas e repetitivas.

O que muda nos principais setores

Medicina

Nos Estados Unidos, 98% das cirurgias à próstata são feitas com ajuda de robots. Podemos dizer que os computadores tornam o trabalho dos profissionais de saúde mais eficiente, diminuindo a duração das cirurgias e reduzindo drasticamente o risco de erro. Estima-se que em 2018 a área de tecnologia em saúde criará 35 000 novos empregos.

Educação

As aulas à distância são já uma realidade em muitos países. Atualmente, existem professores-robots que são capazes de dar aulas e corrigir testes. Existem mil robots deste tipo em todo o Mundo. Os alunos exigem que a educação esteja adaptada à realidade que eles conhecem e essa realidade é tecnológica. Assim, o ensino à distância será cada vez mais a forma preferencial de aprender.

Bancos

A influência das máquinas no setor da Banca relaciona-se sobretudo com a possibilidade de cada utilizador poder aceder à sua conta em qualquer lugar do Mundo. Em 2012 houve uma queda de 84% na criação de empregos no setor bancário em relação ao ano anterior. A tecnologia de facto diminuiu a necessidade de profissionais, como os operadores de caixa. Por outro lado, aumentou a necessidade de profissionais de TI.

Agropecuária

Este é um dos setores mais afetados pela entrada das novas tecnologias. No campo, aas máquinas para irrigação e colheita aumentam muito a produtividade. A substituição de homens por máquinas neste setor é uma realidade. Contudo, também aqui é necessária a existência de bons profissionais de TI, o que prova que se por um lado as máquinas substituem o trabalho humano, por outro criam novas necessidades.

Marketing e vendas

O fácil acesso à Internet e o uso cada vez maior das redes sociais mudaram o modo como as pessoas encaram o consumo. A nível de vendas, é cada vez mais fácil consumir. As pessoas conseguem comprar produtos de todo o Mundo a partir de um telemóvel. A experiência do utilizador tem evoluído muito neste setor, pois agora é possível as pessoas “experimentarem” roupa à distância, para perceberem se gostam de uma peça ou não. A nível do marketing, a automatização permite que as campanhas promocionais sejam cada vez mais direcionadas às necessidades específicas de cada cidadão, o que melhora bastante a sua experiência.

 

Máquinas e humanos não têm que ser inimigos. Na verdade, quando a tecnologia é bem utilizada, quem sai a ganhar é o Homem. O mundo tem evoluído a um ritmo alucinante e os cidadãos precisam de se manterem atualizados para não correrem o risco de perderem os seus empregos!

Os principais erros a evitar na criação de uma empresa

Os principais erros a evitar na criação de uma empresa

Posted Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Abrir um negócio próprio é um objetivo para muitas pessoas, mas é preciso ter em conta que ter uma empresa exige dedicação, planeamento e enfrentar desafios constantes. A tentação de criar o próprio negócio é grande, pois hoje em dia é cada vez mais fácil devido às ferramentas simples que ajudam os empreendedores a colocar as suas ideias no terreno. No artigo de hoje, vamos falar sobre os principais erros a evitar na criação de uma empresa!

Não conhecer bem o mercado onde pretende atuar

Muitas vezes os empreendedores estão tão convictos de que a sua ideia é perfeita que não fazem um estudo exaustivo do mercado para avaliar a concorrência nem para perceber se os consumidores de facto precisam do produto ou serviço que querem vender. Por muito boa que a ideia de negócio seja, se não houver uma necessidade de nada adianta partir para a criação de uma empresa. Assim, estudar bem o mercado de modo a conhecer todas as suas particularidades é essencial para ter uma empresa de sucesso a curto e longo prazo.

Pensar que pode fazer tudo sozinho

Mesmo que pense que é capaz de fazer tudo sozinho, aconselha-se que se rodeie de uma equipa de confiança. O negócio pode crescer mais rápido do que pensa e precisará de apoio para responder a todas as solicitações. Do mesmo modo, caso as coisas não corram tão bem, é melhor ter uma equipa que o ajude a enfrentar as dificuldades pois se estiver sozinho poderá sentir-se desmotivado e desistir em pouco tempo.

Investimento demasiado alto

Mesmo que tenha estudado o mercado e todas as previsões sejam de que o seu negócio terá sucesso em pouco tempo, não deve investir mais do que o estritamente necessário numa fase inicial. Os custos adicionais devem ser reduzidos o máximo possível e os investimentos devem ser feitos de acordo com a evolução comercial do produto e não com base em previsões de lucros futuros. Os investimentos muito altos numa fase embrionária do projeto são das principais causas de falência dos negócios num período curto após a criação de uma empresa.

Não investir na comunicação desde o primeiro momento

Muitos empreendedores pensam que a comunicação só é importante a partir do momento em que a empresa começa a crescer. Contudo, esta é uma área da empresa a que deve dedicar atenção desde o início, pois é essencial que o mercado saiba que chegou e que está ali para vencer. Tenha especial atenção ao nome da sua marca e ao logótipo que a ilustra pois são os primeiros elementos que contactam com o público e devem ser coerentes e diferenciadores. Ter um bom website e uma presença forte nas redes sociais é imprescindível nos dias que correm e deve investir tempo a trabalhar estas áreas.

Falta de segmentação do mercado

Comunicar para toda a gente, de forma indiferenciada, é um erro que não deve praticar, sobretudo porque o consumidor atual é cada vez mais informado e exigente. Abrir uma empresa sem saber qual é o seu público-alvo e sem conhecer as suas principais características e necessidades poderá ser uma autêntica perda de tempo. Por muito bom que o seu negócio seja, nem todos vão precisar dele, por isso vai estar a gastar recursos a comunicar com pessoas que não precisam do seu produto ou serviço. Assim, deve segmentar o seu público-alvo de acordo com as suas características principais, para que possa comunicar de forma personalizada com cada tipo de pessoa. Deste modo, será mais fácil atingir pessoas que efetivamente precisam de si!

Dica extra: Os negócios acontecem a um ritmo muito acelerado e é essencial que saiba o que está a acontecer na sua empresa para conseguir tomar as decisões mais adequadas para o seu negócio. Faça download do nosso e-book e saiba como uma ferramenta BAM o pode ajudar a gerir!

5 Dicas essenciais para conquistar clientes em 2018

5 Dicas essenciais para conquistar clientes em 2018

Posted Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Conquistar clientes é um objetivo obrigatório todos os anos e em todos os negócios. Numa época em que existe tanta informação oriunda dos mais diversos canais, torna-se complicado captar a atenção do público-alvo, pelo que é imprescindível utilizar as melhores técnicas para conseguir conquistar novos clientes. Sabemos que cada negócio tem as suas especificidades, mas existem truques transversais a todas as áreas e no artigo de hoje apresentamos as 5 dicas essenciais para conquistar clientes em 2018.

Conheça o seu público-alvo

Mais do que nunca, é essencial que conheça bem o seu público-alvo. O consumidor atual é muito exigente, pelo que se torna cada vez mais difícil agradá-lo. Assim, deve recolher o máximo de informação possível sobre ele: preferências, redes sociais que utiliza, meios de comunicação que prefere, entre outros aspetos que sejam relevantes para o seu negócio. Os estudos de mercado ganham aqui uma importância muito grande, pois é uma ótima forma de conhecer melhor os desejos e características do público que pretende atingir e desta forma conseguirá conquistar clientes.

Ouça mais e fale menos

Os clientes gostam de falar e de sentir que está atento às suas necessidades e desejos. Muitos vendedores caem no erro de falar demasiado, pois pretendem mostrar, em pouco tempo, todos os benefícios do produto ou serviço que têm para oferecer. Contudo, os consumidores atuais procuram soluções rápidas e irão ficar entediados caso ouçam um discurso estandardizado. Assim, é muito importante que ouça primeiro tudo o que o cliente tem para lhe dizer e que depois apresente as soluções possíveis de uma forma prática e bastante objetiva.

Evite os clichés

Há frases que imediatamente nos remetem para os vendedores insistentes e aborrecidos que apenas querem vender e que não se preocupam com aquilo que realmente precisamos. Mesmo que considere que o seu produto é o melhor do Mundo, deve evitar tentar vendê-lo através desse argumento, pois vai soar a falso e a exagero. Evite também falar mal da concorrência e nunca, mas mesmo nunca, minta ao cliente. Hoje em dia, o consumidor é muito informado e a informação propaga-se a uma velocidade alucinante, pelo que a probabilidade de a sua mentira ser descoberta é muito grande e nesse caso além de não conquistar clientes, corre o risco de perder os atuais!

Acompanhe os resultados

Não basta lançar ações de marketing e campanhas e não monitorizar os seus resultados. É muito importante que defina indicadores e analise todos os resultados das suas ações. Só deste modo é que será capaz de promover uma melhoria contínua, que certamente terá efeito também no número de clientes angariados. O mercado atual é muito dinâmico e deve garantir que o seu produto ou serviço não fica estático.

Use uma estratégia de conteúdo

O marketing digital está cada vez mais presente nas estratégias das empresas e muitas marcas utilizam uma estratégia de conteúdo, em que escrevem artigos e estudos de caso sobre a sua área de atuação. Isso vai fazer com que os potenciais clientes olhem para a empresa como uma entidade de referência e isso vai aumentar a confiança e a probabilidade de optarem pelos seus produtos e serviços.

7 dicas para melhorar o relacionamento com o Cliente

7 dicas para melhorar o relacionamento com o Cliente

Posted Leave a commentPosted in Dicas de Gestão

Saiba como melhorar o relacionamento com o Cliente

A evolução digital tornou a comunicação com o Cliente mais fácil, tendo em conta a multiplicidade de meios que existem para chegar até ele. No entanto, se a comunicação é mais fácil para nós, também o é para os nossos concorrentes, pelo que a disputa pela atenção do público-alvo está maior do que nunca. Existem dicas importantes que pode seguir para melhorar o relacionamento com o Cliente e neste artigo apresentamos-lhe os 7 melhores truques!

Cumprir prazos

Para satisfazer o cliente no imediato, muitas empresas cometem o erro de definir prazos demasiado curtos para resolver questões complexas. É tentador mostrarmos aos clientes que somos rápidos e eficientes, mas se depois não conseguirmos cumprir os prazos estabelecidos vamos passar uma imagem de falta de profissionalismo e de zelo. Por isso, é essencial ser consciente na hora de definir um prazo pois temos que ter em conta todas as limitações de tempo e de recurso que possam existir. Vale mais dar um prazo maior e cumprir antes do tempo do que comprometer-se com um prazo curto e deixar o cliente insatisfeito.

Foco na resolução das necessidades do cliente

O relacionamento com o cliente não se extingue no momento em que este efetua a compra. Cada vez mais é essencial acompanhar o nível de satisfação dos consumidores, através de inquéritos de satisfação para saber se percebeu todas as funcionalidades do produto, se o está a utilizar corretamente e se está contente com a sua compra.

Atualize as informações em tempo real

Sempre que receber um novo dado sobre um cliente ou potencial comprador, é necessário que atualize o seu CRM de imediato. Não deixe essa tarefa para depois pois corre o risco de se esquecer e de perder informações importantes para a concretização de uma venda. Alimentar os seus sistemas de informação em tempo real e analisar todas as mudanças com um sistema de monitorização do negócio como o Multipeers permite que se tomem decisões mais conscientes e que se fechem negócios mais rapidamente.

Estabeleça relações emocionais

De acordo com um estudo publicado pela Harvard Business Review Brasil, transformar clientes satisfeitos em pessoas conectadas emocionalmente com a empresa é muito mais vantajoso do que tornar clientes insatisfeitos em satisfeitos. Um cliente ligado emocionalmente a uma marca gasta duas vezes mais e tem um valor 52% maior do que um cliente apenas satisfeito. Um bom truque para ligar-se emocionalmente aos clientes é criar uma espécie de clube VIP, onde oferece promoções especiais e ofertas exclusivas.

Tenha uma boa presença nas redes sociais

Atualmente, as pessoas já não vão à Internet: elas vivem online. Por isso, é essencial que uma marca tenha a consciência das redes sociais mais frequentadas pelo seu target e que defina uma estratégia de atuação nessas plataformas para garantir um contacto próximo com o cliente. Se utilizar uma página de Facebook, ofereça conteúdo interessante e esteja sempre disponível para responder rapidamente às questões dos seus seguidores. Não fale só sobre si e partilhe conteúdo sobre a sua área de atuação, para atrair a atenção dos seus seguidores.

Seja humano e não mecânico

Os consumidores sentem-se mais confiantes com as empresas que os tratam com educação e transparência e não sentem qualquer empatia com empresas que utilizam um atendimento standartizado e quase robótico. Falar com o cliente de forma empática e fazer com que ele se sinta atendido por uma pessoa igual a ele vai ajudar a aumentar a confiança.

Seja objetivo

Os clientes detestam quando sentem que as empresas os estão a enganar com palavras bonitas que não entendem. Deve ser sempre objetivo e ir direto ao problema que o cliente quer resolver. Não tenha medo de dizer “não” ou de assumir um erro. Deve é oferecer sempre soluções ao cliente de modo a minimizar os efeitos negativos que uma compra possa ter tido.

Conheça as principais métricas para avaliar o seu desempenho nas redes sociais

Conheça as principais métricas para avaliar o seu desempenho nas redes sociais

Posted Leave a commentPosted in Definição de métricas de negócio

Já não é novidade de que as redes sociais têm um papel cada vez mais importante no mundo dos negócios. O consumidor atual “vive online” e é muito importante que a sua marca/empresa esteja presente nas redes sociais onde o seu target marca presença. Para garantir o sucesso da sua presença nas redes sociais não basta criar conteúdo e publicá-lo com frequência: é necessário que avalie continuamente o sucesso das suas ações. Neste artigo apresentamos-lhe as principais métricas para avaliar o seu desempenho nas redes sociais!

Número de seguidores/gostos

Esta é a métrica mais básica para qualquer rede social, mas apesar de ser básica é muito importante pois mostra-nos o crescimento de uma página ao longo do tempo e a audiência que temos disponível de cada vez que queremos comunicar. Contudo, esta é uma métrica que sozinha não tem grande relevância, pois se não houver interação por parte dos seguidores, em termos concretos não se ganha nada. Um grande número de seguidores/gostos é importante ainda para criar uma imagem de credibilidade para quem visita o perfil pela primeira vez. Uma empresa que tem milhares de seguidores no Facebook certamente que vai causar uma melhor impressão do que uma que tem poucos seguidores.

Alcance das publicações

O alcance das publicações nada mais é do que o número de pessoais às quais as suas publicações chegam. No Facebook, por exemplo, esse alcance é cada vez menor, devido ao novo algoritmo. Neste ponto é importante distinguir entre alcance orgânico e alcance pago. O alcance orgânico é o alcance que consegue ter gratuitamente, apenas através da publicação e eventuais interação com ela por parte dos seguidores. Já o alcance pago é o alcance conseguido através de publicações patrocinadas e após definição do target pretendido atinge um grande número de utilizadores.

Engajamento

Ter uma audiência elevada não é muito significativo se olharmos para a métrica de forma isolado. Mais importante do que o número de seguidores é a interação que esses seguidores têm com a sua marca/empresa. Medir o engajamento (número de reações à publicação, comentários, partilhas) é fundamental para conseguir acompanhar a eficácia do seu conteúdo. Em todas as redes sociais este engajamento é muito importante.

Conversões

A conversão é um dos aspetos mais importantes de todas as ações que efetuamos nas redes sociais. Nenhuma empresa cria conteúdo para Facebook, Instagram ou Linkedin apenas por criar: o objetivo é sempre atingir uma conversão, seja ela o donwload de um e-book, uma visita ao website e até mesmo a venda. Avaliar semanalmente o número de conversões pelas redes sociais permite-nos perceber o desempenho e eficácia das nossas publicações bem como definir uma nova estratégia caso seja necessário.

O Multipeers é um sistema de monitorização do negócio que permite analisar o seu negócio a cada momento, incluindo a sua performance nas redes sociais. Acompanhar em cada segundo o que se passa com a sua marca é essencial para que possa tomar decisões assertivas e em tempo útil.

7 KPI’s obrigatórios para gestores de marketing

7 KPI’s obrigatórios para gestores de marketing

Posted Leave a commentPosted in Internet e Marketing

Conheça os KPI’s mais importantes para medir os seus resultados de marketing

Medir resultados de marketing digital é obrigatório se quiser identificar as áreas que precisam de melhorias e se quiser ter um bom desempenho. Ao analisar frequentemente os seus resultados de marketing, terá uma visão mais global sobre o negócio e conseguirá tomar decisões mais conscientes. O mundo do marketing é extremamente vasto e nem sempre é fácil saber quais os indicadores mais importantes para o negócio. Neste artigo apresentamos-lhe 7 KPI’s digitais obrigatórios para gestores de marketing!

Número de visitas ao website

Esta métrica é essencial e mostra quantas visitas teve no website num determinado período. É importante não confundir esta métrica com o número de pessoas que visitaram o site: este valor diz-nos quantas visitas os utilizadores fizeram ao seu site, podendo uma mesma pessoa ter entrado 10 ou mais vezes no site. Este indicador é fundamental para o sucesso do funil de vendas pois quantas mais visitas tiver, maior será a probabilidade de gerar leads e vendas. Pode encontrar este valor facilmente no painel do Google Analytics.

Número de visitas orgânicas

Dentro do número de visitas ao website, destaca-se o número de visitas orgânicas. As visitas orgânicas são aquelas que chegam ao seu site através de pesquisa no motor de busca. As pessoas conseguem chegar ao seu site pois ele apareceu nos resultados quando houve uma pesquisa por uma determinada palavra-chave. Assim, quanto mais visitas orgânicas tiver, melhor posicionado o seu site estará. Isso significa também que as palavras-chave que está a utilizar são as adequadas ao seu negócio e aquelas que o seu público-alvo utiliza.

Taxa de Conversão

Ter muitas visitas no website é muito importante e significa que o nosso site está com um bom desempenho e está a aparecer nos motores de busca. Contudo, não basta que o visitante navegue pelo site e saia sem deixar um contacto ou sem comprar alguma coisa. A taxa de conversão relaciona o número de visitantes ao website com o número de visitantes que efetivam uma compra. É um indicador muito importante pois permite-nos perceber se o nosso site está realmente intuitivo e se incentiva de modo claro à compra.

ROI

ROI significa return on investment e mede o resultado final de um investimento: relaciona todas as despesas envolvidas numa ação com os lucros obtidos graças a essa mesma ação. A fórmula para o cálculo do ROI é a seguinte: ROI = Lucro Líquido (Lucro total do Investimento – Custo do total Investimento) / Custo do Investimento. Se o ROI for superior a zero, significa que o investimento foi positivo para a empresa. Se tiver valores negativos, houve prejuízo.

Custo por lead

Este valor mostra-nos quanto custa à empresa adquirir um lead. Obtemos o valor após dividir a quantidade de dinheiro investida no marketing digital pelo número de leads gerados. Estudos referem que o custo por lead gerado através do marketing digital é cerca de 61% mais baixo do que os leads gerados pelo marketing tradicional. Saber quanto nos custa gerar um lead é essencial para que possamos redistribuir os investimentos e melhorar os resultados.

Visitas geradas pelas redes sociais

Se a sua empresa aposta na comunicação através das redes sociais, deve medir sempre o impacto que isso tem para o seu website e para o seu negócio. Não adianta colocar bom material nos perfis da empresa se depois isso não se traduz em visitas e em vendas. Semanalmente deve medir quantas visitas teve a partir de cada rede social e deve investir mais naquelas que mais visitas geram pelo website. Se uma rede social não gera qualquer visita, deve ponderar se vale a pena continuar a investir tempo nessa rede.

Taxa de rejeição

A taxa de rejeição mostra-nos a percentagem de visitantes que estiveram apenas numa página do seu site. Quanto maior for esta taxa, pior será para si pois significa que houve muitos visitantes a desistir rapidamente de navegar pelo seu site. Isto pode significar que o seu site está pouco apelativo ou que tem informação pouco relevante. Sempre que este valor for muito alto, deve investir tempo em melhorar o website. Caso contrário poderá perder muitas oportunidades de negócio.

Cada vez mais é essencial acompanhar em tempo real o estado do negócio e a situação de marketing da empresa. O marketing tem vindo a ganhar uma maior importância no mundo empresarial devido à grande competitividade que existe hoje em dia nos mercados.  Quer saber como pode acompanhar o seu negócio em tempo real? Conheça hoje mesmo o Multipeers!

Geração C

Geração C: tudo o que precisa de saber sobre os novos consumidores

Posted Leave a commentPosted in Internet e Marketing

Conheça a geração C e saiba como captar a sua atenção

A Geração C tem o poder do consumo nos dias de hoje. O C está relacionado com a palavra conectados pois é assim que a maior parte de nós vive: conectados à rede. Os novos consumidores vivem online e as empresas que querem sobreviver no mercado competitivo de hoje em dia, devem manter uma presença online forte. Neste artigo mostramos-lhe tudo o que deve saber sobre este novo tipo de consumidores para os conseguir conquistar e fidelizar!

Consumidores controladores

Os novos consumidores, devido à multiplicidade de meios disponíveis, gostam de controlar todos os processos. Com uma simples pesquisa no Google conseguem aceder a milhares de resultados e gostam de sentir que têm o poder de escolher que produto ou serviço vão comprar. São bastante seletivos e exigentes e gostam de comparar preços e leem reviews escritas pelos outros consumidores. Pode-se dizer que são bastante influenciáveis pelo que veem no mundo online.

Amor pelas redes sociais

Estes novos consumidores gostam de pertencer a uma comunidade e partilham o seu dia-a-dia nas redes sociais. Muitas vezes partilham opiniões sobre um determinado produto ou serviço e esse produto ou serviço ganha um grande alcance junto da rede da pessoa que partilhou. Os novos consumidores gostam também de fazer parte de comunidades online pois assim sentem que pertencem a algo.

Gostam de conteúdos originais

A Geração C tem um acesso fácil ao conteúdo e gostam de acompanhar páginas na Internet que criem conteúdo relevante e original. São consumidores criativos devido aos estímulos a que estão sujeitos todos os dias e quando encontram um conteúdo interessante gostam de o partilhar com a sua rede. As empresas que querem captar a atenção destes consumidores devem investir em materiais promocionais criativos, originais e diferenciadores.

Colocam televisão e rádio de lado

Os novos consumidores são muito mais adeptos de computadores e telemóveis do que televisão e rádio. Será inútil tentar captar a atenção deles através destes dois últimos meios. Mesmo quando estão a ver televisão ou a ouvir rádio, na maior parte das vezes continuam “presos” a um telemóvel ou a um tablet, estando a sua atenção completamente dispersa.

Seguem as modas

Todas as gerações seguiam modas mas a Geração C está num nível completamente superior. Basta um produto (por exemplo um filme ou livro) estar na moda para que todos os consumidores desta nova geração o queiram adquirir também. Assiste-se assim a um consumo em massa impulsionado pelas redes sociais e comentários online.

A nova geração de consumidores torna o mercado ainda mais acelerado e as mudanças acontecem a um ritmo impressionante. Assim, estar a par de todas as alterações é fundamental para conseguir sobreviver e marcar a diferença no mercado. Um software que permite acompanhar toda a informação da empresa em tempo real ajuda os gestores a tomarem as decisões mais acertadas para o negócio.